24 abril 2017

Os últimos capítulos de Zé Caipora. No século XIX.

Após ler os 22 anos de Revista Fluminense e os 8 anos de Don Quixote é possível afirmar que em todo o século XIX os leitores conheceram apenas 24 capítulos de As Aventuras de Zé Caipora, e aqui vão os últimos (22, 23 e 24 - todos em Revista Fluminense):

Cap. 22 - ed. 457 - 14 de maio de 1887
Cap. 23 - ed. 475 - 10 de dezembro de 1887
Cap. 24 - ed 477 - 24 de dezembro de 1887
Todos na Revista Illustrada - BN.  Só em junho de 1901 Angelo Agostini voltaria a republicar As Aventuras de Zé Caipora em Don Quixote, com o nome de O Zé Caipora.  Todos os 24 primeiros capítulos foram republicados - de 1º de junho de 1901 até 28 de fevereiro de 1902 (ed. 148).  A partir de 15 de março de 1902 (ed. 149 - que está com a data da capa inexplicavelmente desenhada 17 de fevereiro de 1902), com a publicação do capítulo 25, tem início uma leva de capítulos inéditos, que irão até a publicação do capítulo 35, em 15 de janeiro de 1903.  Depois o barco segue em O Malho...

11 abril 2017

O Preconceito era uma praxe em 1886

Vejam só que pitoresca HQ...

Ed. 69 de 1886 - Distracção
... não fosse pela charada que a engendrou:


Ed 68 de 1886 - Distracção - Nada agradável postar esse reflexo de um tempo.

A revista contava ainda com resoluções de partidas de Damas:


... e também de Xadrex:



Os caras do buril eram Theotonio de Capistrano & Alfredo Pinheiro.  No 'roteiro' ficava Anibal Barrozo (que bem podia também ser desenhista).

08 abril 2017

HQ do Debret

Falar de Debret é chover no molhado, o cara era um gênio da arte.
Poderia ter feito excelentes HQs em aquarela, se essa fosse a praia dele.  E ainda nos teria presenteado com pitorescas 'novelas em quadrinhos' do primeiro quartel do século XIX.
Mas pelo menos uma ficou gravada.  São quatro pranchas, divididas em duas partes, com 7 quadros ao todo (1. Ténérif, 2. Cabo Frio, 3. costa do Rio bem distante, 4. costa do Rio, 5. o gigante, 6. dentro da baía, 7. já em terra firme).
O roteiro é uma viagem da Europa ao Rio, sob o ponto de vista do viajante no convés da embarcação.
Tem algo de cinematográfico a aproximação das tomadas até se poder avistar alguns cariocas.
E de brinde ainda nos deu talvez a primeira caricatura do país/nação junto com um apelido hoje em dia muito em voga:  "O gigante adormecido" (le géant couché).


Ele esteve no Brasil entre 1816 e 1831 (pintou na chegada ou na saída).  Publicou as pranchas em Paris (entre 1834 e 1839).  É brasileira a HQ?  Pelo menos o tema é.

in biblioteca Mário de Andrade.

04 abril 2017

Capítulos 19, 20 e 21 de Zé Caipora

Todos da Revista Illustrada (in Biblioteca Nacional).

Ed. 453 - 15 de março de 1887



Ed. 455 - 15 de abril de 1887

Ed. 456 - 30 de abril de 1887 (repare que a publicação variava entre semanal e quinzenal)

Atualizei os links para as Hemerotecas Brasileiras (ao lado).

29 março 2017

Primeiros trabalhos de J. Carlos - em 1902

Foi em "Tagarela"


A revista contava com esses, e outros, artistas:


Acompanhe as primeiras aparições do genial J. Carlos:

Ed. 23 - 2 de agosto de 1902

Ed. 24 - 9 de agosto de 1902
Ed. 31 - 27 de setembro de 1902

Ed. 33 - 11 de outubro de 1902 - primeira HQ
Ed. 37 - 7 de novembro de 1902

Segue o projeto do livro "Nascimento dos Quadrihos Brasileiros - século XIX", estou pensando seriamente em me concentrar no século XIX - há muitas, mas muitas HQs, de excelente qualidade - visto que ao entrar no século XX uma miríade danada de artistas surge no país, aparece O Tico-Tico etc. etc.
Alguns artistas do projeto:

Sebastien Auguste Sisson
Henrique Fleiuss (Heinrich Fleiuss)
Ernesto Augusto de Souza e Silva Rio (Flumen Junius)
A. C.
Joseph Mill
Angelo Agostini
Cândido José Aragonez de Faria
V. Mola
B.C.
João Pinheiro Guimarães
A. P.
Antonio Augusto do Valle de Souza Pinto
Francisco Aurélio de Figueiredo e Melo (Léo)
Odilon
Luigi Borgomainerio (D. Ciccio)
Arthur Lucas (Bambino, X, L (?))
Raphael Augusto Prostes Bordallo Pinheiro


(...)

26 março 2017

Continuando a pesquisa, identificando artistas.


 Essa é a assinatura do artista italiano que teve muito pouco tempo pra fazer HQs.  Se dedicou à pintura.  Aqui você se depara com um naco do talento do cara.  Pena que ele não dedicou mais tempo aos quadrinhos.

Ele faz parte do projeto que estou engendrando:  O Nascimento dos Quadrinhos Brasileiros - Século XIX.

Segue a lista (ainda me falta algumas datas de nascimento/falecimento pra tratar da questão de direitos autorais) em ordem cronológica de aparecimento das HQs:

Sebastien Auguste Sisson
Henrique Fleiuss (Heinrich Fleiuss)
Ernesto Augusto de Souza e Silva Rio (Flumen Junius)
A. C.
Joseph Mill
Angelo Agostini
Cândido Aragonez de Faria
João Pinheiro Guimarães
V. Mola
A. P.
Antonio Augusto do Valle de Souza Pinto
Francisco Aurélio de Figueiredo e Melo (Léo)
Luigi Borgomainerio (D. Ciccio)
Arthur Lucas (Bambino, X, L (?))
Raphael Augusto Prostes Bordallo Pinheiro
Aluisio Tancredo Belo Gonçalves de Azevedo (Acropólio, Asmodeu)
Nicoláo Huascar de Vergara
A. P. Caldas
C. Ferreira
João Affonso do Nascimento
Foligomio Mag.es
Belmiro Barbosa de Almeida Junior (Bromeli, Bel, Romibel)
Y. C.
Francisco Hilarião Teixeira da Silva (preciso do contato da família)
Dóra
Gavarni
Antonio Bernardes Pereira Netto
R. Lima
A. B.
Narciso Antonio Glaudio Figueras Girbal – (Rapp)
Manoel Teixeira da Rocha (D. Caralampio)
Gustavo Giovanni Dall’Ara
Oscar Pereira da Silva
Nicephoro Moreira
Julião Felix Machado
A. Castaño
A. Junior
Rato
Augusto Santos (Falstaff)
Raul Paranhos Pederneiras (preciso contato da família)
Calixto Cordeiro (K. Lixto) (preciso contato da família)
Alfredo Cândido
H. Posseigür (Bybyo (?))
Helios Aristides Seelinger
J. Carlos
Alfredo Storni
Vasco Machado de Azevedo Lima – Hugo Leal (?)
Caran D’Ache da Silva
Cícero Valladares – Dudu
Leonidas Freire (Leo)
Mario de Barros - Heronio
Refosteto
Augusto Rocha
José Campos Junior (leitor)
Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac (Fantasio)
Lemmo Lemmi (Voltolino)
Álvaro Marins (Seth)
J.R. Lobão (assina com um “phi” – guia dos quadrinhos – mas Herman Lima diz ser Agostini, seria o pronome pessoa “io” ao invés da letra grega “phi”?)

23 março 2017

Filhos adotivos

Hoje chegou o mais novo:




Reparem que estou em um sítio arqueológico (pinturas rupestres isabellinas & eloisinas).

Agora vou preparar a peneira, cruzar dados.  Reler as vinte e tantas teses, dissertações, etc.

Ficar de olho em curiosidades como esta:

Interessantíssima HQ feita somente com frontispícios de revista - coisas de Agostini via Carlos Roberto da Costa
Dos livros acima certamente o de Luciano Magno é o melhor mais completo, e mais brasileiro de todos (em conteúdo), mas mesmo assim sobra algum assunto que o Luciano deixou passar, como no caso das primeiras caricaturas, é só a gente atentar pra essa lista:

O Luciano pula de O Carapuceiro para A Mutuca Picante - dados de Jorge Mtanios Iskandar Arbach
Ou seja, o Brasil é um campo fértil para produção de livros, não seria humano abarcar toda a produção nacional do século XIX em um único livro.  Por isso estou focado em apenas HQs deste período.
HQs como essa de Villachica (que ainda não tenho informação alguma):


Sei apenas que ele contribuiu em "A Semana Illustrada" - 1898 (homônima de "Semana Illustrada" fundada pelo Fleiuss em 1860), sei também que um outro colaborador era o K. Lixto:

Inté.